Propostas Educativas: Princípios, Finalidades, Projetos e Objetivos

O projeto Educativo do Conservatório Regional do Algarve Maria Campina visa dar cumprimento ao princípio manifestado na Lei de Bases do Sistema Educativo, segundo o qual este se desenvolve de acordo com "um conjunto organizado de estruturas e de ações diversificadas, por iniciativa e sob responsabilidade de diferentes instituições e entidades públicas, particulares e cooperativas", sendo "garantido o direito de criação de escolas particulares e cooperativas" no âmbito dos princípios gerais da referida lei de Bases.
A instituição também tem dado provas cabais da sua utilidade pública, assegurando a formação a um número cada vez maior de jovens do Algarve, que, de outro modo, não conseguiriam frequentar uma escola de música e/ou dança (descarregar aqui).

Princípios

As transformações económicas sociais e tecnológicas exercem sobre o meio em geral e sobre as escolas em particular pressões a fim de se operarem mudanças.
Os intervenientes neste processo (professores, alunos, pais e cidadãos) tendem a defender os seus pontos de vista, diversificados, implicando mudança e inovação.
As transformações exigem novas competências e a escola deve ser uma instituição moderna, capaz de dar novas respostas, mais diversificadas e flexíveis, capazes de acompanhar o mundo em mudança.
É pela participação e intervenção ativas que a inovação se constrói e interioriza e a escola é o seu lugar privilegiado. As premissas que sustentam este projeto educativo procuram caracterizar o Conservatório Regional do Algarve Maria Campina como uma escola de música e dança dinâmica e inovadora.
Um dos aspetos fundamentais deste projeto é colocar a escola no centro da realização pessoal e humana, na construção de afetos, que a escola seja uma referência na vida de todos quantos por aqui possam passar, apostando no desenvolvimento de projetos que impliquem alteração das rotinas, apelem à criatividade dos professores e alunos e se reflitam nas suas metodologias e estratégias de inovação e de mudança. Esperamos que este projeto em que todos nos temos envolvido, venha a revelar-se no cumprimento dos objetivos que nos propomos e nos desempenhos de cada um de nós.

Finalidades

O Conservatório Regional do Algarve Maria Campina envolve na sua ação educativa o corpo docente, os alunos, os pais e encarregados de educação, funcionários, auxiliares e todos órgãos de gestão e área pedagógica, promotores e sujeitos da filosofia educativa subjacente a este projeto.
Privilegia-se a cooperação com diferentes agentes da sociedade, de forma a intervir e revelar a sua função educativa e cultural, junto das camadas mais jovens. Igualmente procurar-se-ão estabelecer parcerias, nomeadamente com autarquias locais, outras escolas, sociedades filarmónicas e outras entidades que se mostrem recetivas ao projeto.
Promover atividades conjuntas com outras escolas de ensino artístico e outras instituições ligadas à música e à dança, bem como com as escolas de ensino regular, no sentido de desenvolver ações quer sejam audições, recitais, concertos ou ainda produções em parceria.

A Escola como projeto aberto

A escola centra-se na ideia de que todos os intervenientes se empenham na qualidade dos cursos que aí são ministrados. Tendo em vista atingir-se tais objetivos propomos a concretização das seguintes ações:
a) Promover a organização de horários do Conservatório de forma a articulá-los com os das escolas de ensino regular, e com os horários laborais;
b) Encontrar formas que levem os alunos a optarem pelo ensino articulado promovendo protocolos com as escolas de ensino regular para a constituição de turmas de opção;
c) Promover trabalhos junto das escolas de 1º e 2º ciclos tendo em vista despertar o gosto pela música na faixa etária dos 6 aos 12 anos;
d) Promover ações que ajudem os alunos na escolha do instrumento através de audições das Classes de Conjunto, das aulas abertas e através de meios audiovisuais; e) Desenvolver ações junto das escolas básicas de 2º e 3º ciclos de divulgação e informação da cultura musical;
f) Realizar seminários, cursos de formação intensiva, masterclasses, e outros;
g) Promover o desenvolvimento de conjuntos instrumentais fazendo com que cada aluno tenha como objetivo integrá-los;
h) Divulgar o trabalho realizado na escola acentuando a participação do coro e dos conjuntos instrumentais nas ações que tem desenvolvido junto do meio;
i) Promover reuniões com os encarregados de educação que facilitem o acompanhamento do desempenho dos alunos nas várias disciplinas.

Atividades extracurriculares

- Seminários e colóquios
- Ações de formação
- Visitas de estudo
- Dinamização do plano de atividades com envolvimento do meio
- Semana das disciplinas
- Concertos por antigos alunos
- Masterclasses
- Parcerias com autarquias, outras escolas e instituições.

Avaliação do projeto

O Projeto Educativo deve ser avaliado/revisto ordinariamente no fim do ano lectivo.
Pode ser avaliado/revisto extraordinariamente, sempre que haja necessidade de modificar ou alterar alguma questão com ele relacionado.

Plano de estudos

Regime supletivo: os alunos frequentam as disciplinas da componente de formação técnica (vocacional / artística) nos estabelecimentos de ensino artístico especializado. Atualmente, o regime de frequência mais procurado pelos nossos alunos é o regime supletivo, o que não significa que não tenhamos bastantes alunos que frequentem o ensino da música em regime articulado.
A nossa população escolar frequenta, em simultâneo, o ensino regular e o ensino vocacional, tornando-se necessário, por isso, a conciliação dos horários dos dois tipos de ensino.

Cursos em funcionamento

TIPO DE CURSO ESPECIFICAÇÕES DISCIPLINAS
Iniciação Destinado aos alunos do 1º ao 4º ano de escolaridade Iniciação musical
Iniciação instrumental
Coro Infantil
Iniciação à dança
Básico Em regime supletivo e articulado, destina-se aos alunos do 5º ao 9º ano de escolaridade Clarinete
Flauta de Bisel
Flauta Transversal
Formação Musical
Guitarra
Piano
Saxofone
Trompete
Violino
Violoncelo
Complementar Em regime supletivo e articulado, destina-se aos alunos do 10º ao 12º ano de escolaridade Clarinete
Flauta de Bisel
Flauta Transversal
Formação Musical
Guitarra
Piano
Saxofone
Trompete
Violino
Violoncelo
Livre Para todos os instrumentos anteriormente mencionados, Formação Musical, Coro, Dança Clássica e Dança Contemporânea.

Classes em funcionamento

CLASSES REGIMES PROFESSORES
Clarinete Supletivo, Articulado e Livre Rui Travasso
Flauta de Bisel Supletivo, Articulado e Livre Filipa Oliveira
Flauta transversal Supletivo, Articulado e Livre João Lourenço
Piano Supletivo, Articulado e Livre Irene Ainstein
João de Almeida
Oxana Anikeeva
Joana Shumova
Saxofone Supletivo, Articulado e Livre Daniel Batista
Trompete Supletivo, Articulado e Livre João Carneiro
Guitarra Supletivo, Articulado e Livre Eudoro Grade
Francisco Nascimento
Violino Supletivo, Articulado e Livre Helena Duarte
Jan Pipal
Laurentiu Simões
Alicia Arias
Violoncelo Supletivo, Articulado e Livre Bruna Melia
Coro Supletivo, Articulado e Livre Nuno Rodrigues
João de Almeida
Rui Machado
Formação Musical Supletivo, Articulado e Livre Nuno Rodrigues
Rui Machado
Valter Estevens
História e Cultura das Artes Supletivo, Articulado e Livre João de Almeida
Análise e Técnicas de Composição Supletivo, Articulado e Livre Nuno Rodrigues
Classes de Conjunto (música de câmara) Supletivo, Articulado e Livre Bruna Melia
Eudoro Grade
Francisco Nascimento
Helena Duarte
Jan Pipal
João de Almeida
João Carneiro
Laurentiu Simões
Oxana Anikeeva
Rui Travasso
Iniciação Musical   João Lourenço
Rui Machado
Contrabaixo Livre Jean-Christian Houde

Regulamento Interno

O funcionamento do Conservatório Regional do Algarve Maria Campina rege-se pelo respetivo regulamento interno aprovado pela Direção Adminsitartiva (descarregar aqui).

Regime

O regime de funcionamento da escola é o regime normal. As atividades letivas têm inicio às 9 horas e o seu encerramento pode ocorrer até às 21 horas.

Financiamento

Estatutariamente, o CRAMC é um estabelecimento de ensino sem fins lucrativos. Para fazer face às despesas inerentes ao serviço que presta, o Conservatório dispõe dos seguintes recursos financeiros:
a) Mensalidade calculada conforme o número e o grau das disciplinas frequentadas;
b) Contrato de Patrocínio, celebrado com o Ministério da Educação;
A Direção do Conservatório procura obter outros apoios financeiros, quer junto de entidades públicas quer privadas, para apoio a atividades curriculares e extracurriculares.


Av. Dr. Júlio Filipe de Almeida Carrapato, 93
8000-081 Faro
(+351) 969 530 263
geral@conservatorioalgarve.com